Poesias Preferidas

Seleção de Poesias

Arquivos de Categoria: Poesia

O Diabo e a Política – Carlos Heitor Cony

Sempre que leio os jornais, lembro uma historinha que nem sei mais quem me contou. Naquela aldeia, todos roubavam de todos, matava-se, fornicava-se, jurava-se em falso, todos caluniavam todos. Horrorizado com os baixos costumes, o frade da aldeia resolveu dar o fora, pegou as sandálias, o bordão e se mandou. Pouco adiante, já fora dos …

Continuar lendo

Talvez – Pablo Neruda

Talvez não ser, é ser sem que tu sejas, sem que vás cortando o meio dia com uma flor azul, sem que caminhes mais tarde pela névoa e pelos tijolos, sem essa luz que levas na mão que, talvez, outros não verão dourada, que talvez ninguém soube que crescia como a origem vermelha da rosa, …

Continuar lendo

(Everything I Do) I Do It for You – Bryan Adams

Look into my eyes You will see what you mean to me Just search your heart, search your soul And when you find me there You’ll search no more Don’t tell me It’s not worth trying for You can’t tell me It’s not worth dying for You know it’s true Everything I do, I do …

Continuar lendo

A Rua – Cassiano Ricardo

Bem sei que, muitas vezes, O único remédio É adiar tudo. É adiar a sede, a fome, a viagem, A dívida, o divertimento, O pedido de emprego, ou a própria alegria. A esperança é também uma forma De continuo adiamento. Sei que é preciso prestigiar a esperança, Numa sala de espera. Mas sei também que …

Continuar lendo

Dois no Crepúsculo – Eugenio Montale

Entre tu e eu flui no mirante uma claridade subaquática que deforma o perfil das colinas e o teu rosto. Contra um desfocado fundo, recorta-se cada um de teus gestos; chega sem deixar rastro, e desaparece, no espaço que preenche cada sulco e se fecha quando passas: tu comigo aqui, neste ar que desce para …

Continuar lendo

O Rochedo – Mikhail Lermontov

A nuvem de ouro dorme a noite inteira no seio do gigântico rochedo. Pela manhã, levanta-se bem cedo, e descuidada vai-se pelos céus, ligeira. Mas lá restou de orvalho um breve traço nas rugas do penedo solitário. E é como se ele ficara multivário chorando suavemente ante o vazio espaço. Mikhail Lermontov Tradução de Jorge …

Continuar lendo

Desejo-te Tempo – Elli Michler

Não te desejo todos os presentes do mundo. Apenas te desejo aquilo que mais falta faz: Desejo-te tempo para rires e seres feliz, e, se ajudar, para dares também algo em troca. Desejo-te tempo para ações e pensamentos, não só para ti, mas também para os outros. Desejo-te tempo, não para pressas e correrias, mas …

Continuar lendo

A Bruxa – Carlos Drummond de Andrade

Nesta cidade do Rio, de dois milhões de habitantes, estou sozinho no quarto, estou sozinho na América. Estarei mesmo sozinho? Ainda há pouco um ruído anunciou vida ao meu lado. Certo não é vida humana, mas é vida. E sinto a bruxa presa na zona de luz. De dois milhões de habitantes! E nem precisava …

Continuar lendo

Poema Natural – Adalgisa Nery

Abro os olhos, não vi nada Fecho os olhos, já vi tudo. O meu mundo é muito grande E tudo que penso acontece. Aquela nuvem lá em cima? Eu estou lá, Ela sou eu. Ontem com aquele calor Eu subi, me condensei E, se o calor aumentar, choverá e cairei. Abro os olhos, vejo um …

Continuar lendo

Mais Uma Vez – Roberto Carlos

Quando eu te amei pela primeira vez Tudo era poesia A juventude andava em nossos corpos Em nossa fantasia E eu te amei como um menino pode amar E me perdi em sonhos Quando você foi embora eu chorei Como um menino sabe chorar Quando eu te amei pela segunda vez Já era um homem …

Continuar lendo