Poesias Preferidas

Seleção de Poesias

Autor Arquivo: poesiaspreferidas.wordpress.com

Desejo-te Tempo – Elli Michler

Não te desejo todos os presentes do mundo. Apenas te desejo aquilo que mais falta faz: Desejo-te tempo para rires e seres feliz, e, se ajudar, para dares também algo em troca. Desejo-te tempo para ações e pensamentos, não só para ti, mas também para os outros. Desejo-te tempo, não para pressas e correrias, mas …

Continuar lendo

A Bruxa – Carlos Drummond de Andrade

Nesta cidade do Rio, de dois milhões de habitantes, estou sozinho no quarto, estou sozinho na América. Estarei mesmo sozinho? Ainda há pouco um ruído anunciou vida ao meu lado. Certo não é vida humana, mas é vida. E sinto a bruxa presa na zona de luz. De dois milhões de habitantes! E nem precisava …

Continuar lendo

Poema Natural – Adalgisa Nery

Abro os olhos, não vi nada Fecho os olhos, já vi tudo. O meu mundo é muito grande E tudo que penso acontece. Aquela nuvem lá em cima? Eu estou lá, Ela sou eu. Ontem com aquele calor Eu subi, me condensei E, se o calor aumentar, choverá e cairei. Abro os olhos, vejo um …

Continuar lendo

Mais Uma Vez – Roberto Carlos

Quando eu te amei pela primeira vez Tudo era poesia A juventude andava em nossos corpos Em nossa fantasia E eu te amei como um menino pode amar E me perdi em sonhos Quando você foi embora eu chorei Como um menino sabe chorar Quando eu te amei pela segunda vez Já era um homem …

Continuar lendo

O Guardador de Rebanhos I – Fernando Pessoa

Eu nunca guardei rebanhos, Mas é como se os guardasse. Minha alma é como um pastor, Conhece o vento e o sol E anda pela mão das Estações A seguir e a olhar. Toda a paz da Natureza sem gente Vem sentar-se a meu lado. Mas eu fico triste como um pôr de sol Para …

Continuar lendo

Poesias em Retrospectiva – 2016

(Clique no poema para visualizar) As Dez Poesias Brasileiras Mais Lidas no Ano: O Sobrevivente – Carlos Drummond de Andrade Emergência – Mário Quintana Canção de Outono – Mário Quintana Harpa III – Ao Sol – Joaquim de Souza Andrade Momento – Mário de Andrade A Rua dos Cataventos – Mário Quintana Céu – Manuel …

Continuar lendo

Receita de Ano Novo – Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor de arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser, novo até no coração das …

Continuar lendo

Os Pobres – Olavo Bilac

Aí vêm pelos caminhos, Descalços, de pés no chão, Os pobres que andam sozinhos, Implorando compaixão. Vivem sem cama e sem teto, Na fome e na solidão: Pedem um pouco de afeto, Pedem um pouco de pão. São tímidos? São covardes? Têm pejo? Têm confusão? Parai quando os encontrardes, E dai-lhes a vossa mão! Guiai-lhe …

Continuar lendo

Uma Saudação de Natal – Walt Whitman

(De um grupo de estrelas do norte para seus pares do sul. 1889-90) BEM-VINDO irmão brasileiro! Abriu-se teu amplo espaço, Oferecemos a mão amiga, um sorriso vindo do Norte, uma saudação brilhante. (Deixe o futuro falar por si, revelando suas dificuldades, sua bagagem, É nossa, nossa a atual vibração, a busca da democracia, a aprovação …

Continuar lendo

Quando Vier a Primavera – Fernando Pessoa

Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada. A realidade não precisa de mim. Sinto uma alegria enorme Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma. Se soubesse que amanhã morria E a Primavera era …

Continuar lendo