Poesias Preferidas

Seleção de Poesias

Autor Arquivo: poesiaspreferidas.wordpress.com

Reflexão Sobre a Reflexão – Millôr Fernandes

Terrível é o pensar. Eu penso tanto E me canso tanto com meu pensamento Que às vezes penso em não pensar jamais. Mas isto requer ser bem pensado Pois se penso demais Acabo despensando tudo que pensava antes E se não penso Fico pensando nisso o tempo todo. Millôr Fernandes Anúncios

Continuar lendo

O Professor – Cora Coralina

Professor, “sois o sal da terra e a luz do mundo”. Sem vós tudo seria baço e a terra escura. Professor, faze de tua cadeira, a cátedra de um mestre. Se souberes elevar teu magistério, ele te elevará à magnificência. Tu és um jovem, sê, com o tempo e competência, um excelente mestre. Meu jovem …

Continuar lendo

As Três Palavras Mais Estranhas – Wislawa Szymborska

Quando pronuncio a palavra Futuro, a primeira sílaba já se perde no passado. Quando pronuncio a palavra Silêncio, suprimo-o. Quando pronuncio a palavra Nada, crio algo que não cabe em nenhum não ser. Tradução de Regina Przybycien @-;– “Trzy słowa najdziwniejsze” Kiedy wymawiam słowo Przyszłość, pierwsza sylaba odchodzi już do przeszłości. Kiedy wymawiam słowo Cisza, …

Continuar lendo

As Borboletas – Vinicius de Moraes

Brancas Azuis Amarelas E pretas Brincam Na luz As belas Borboletas. Borboletas brancas São alegres e francas. Borboletas azuis Gostam muito de luz. As amarelinhas São tão bonitinhas! E as pretas, então… Oh, que escuridão! Vinicius de Moraes

Continuar lendo

Written In The Stars – Elton John

I am here to tell you We can never meet again Simple really, isn’t it A word or two and then A lifetime of not knowing Where or how, or why, or when You think of me, or speak of me Or wonder what befell The someone you once loved So long ago, somewhere Never …

Continuar lendo

Seja O Melhor Do Que Quer Que Você Seja – Douglas Malloch

Se você não puder ser um pinheiro no topo da colina Seja um arbusto no vale – mas seja O melhor arbusto à margem do regato. Seja um ramo, se não puder ser uma árvore; Se não puder ser um ramo, seja um pouco de relva. E dê alegria a algum caminho; Se não puder …

Continuar lendo

Haicai – Millôr Fernandes

[POEMEU EFEMÉRICO] Viva o Brasil onde o ano inteiro é primeiro de abril Millôr Fernandes

Continuar lendo

Uma Rosa Vermelha – Robert Burns

O meu amor é como uma rosa vermelha, Que acaba de florescer em Junho. O meu amor é como uma melodia Docemente tocada com harmonia. Tão bela tu és, minha maravilhosa donzela, Tão profundamente apaixonado eu estou Que eu te amarei ainda, minha amada, Até que todos os mares sequem. Até que todos os mares …

Continuar lendo

Aquarius – Let the Sunshine In – The Fifth Dimension

When the moon is in the Seventh House And Jupiter aligns with Mars Then peace will guide the planets And love will steer the stars This is the dawning of the age of Aquarius Age of Aquarius Aquarius Aquarius Harmony and understanding Sympathy and trust abounding No more falsehoods or derisions Golden living dreams of …

Continuar lendo

A História de Franz Kafka e a Boneca Viajante

Dora Diamant, a última companheira de Franz Kafka, contou essa história ao crítico francês e tradutor Marthe Robert, e, em uma versão um pouco diferente, à Max Brod: Um dia, Kafka e a namorada passeavam juntos pelo bairro onde viviam, Steglitz, em Berlim e, ao cruzarem um parque, viram uma menina chorando. Kafka quis saber …

Continuar lendo

Gramática da Felicidade – Mário Quintana

Vivemos conjugando o tempo passado (saudade, para os românticos) e o tempo futuro (esperança para os idealistas). Uma gangorra, como vês, cheia de altos e baixos — uma gangorra emocional. Isso acaba fundindo a cuca de poetas e sábios e maluquecendo de vez o homo sapiens. Mais felizes os animais, que, na sua gramática imediata, …

Continuar lendo

Noturno em Dó Sustenido Menor -Póstuma – Frederic Chopin

Nocturne in C-sharp minor, Op. posth. é uma peça composta por Chopin em 1830, dedicada à sua irmã mais velha, Ludwika Chopin, e publicada em 1870, 26 anos após a morte do compositor. Na vida real, a peça foi interpretada pela sobrevivente do Holocausto, Natalia Karp, para o comandante do campo de concentração nazista Amon …

Continuar lendo

A Pedra – Manoel de Barros

Pedra sendo Eu tenho gosto de jazer no chão. Só privo com lagarto e borboletas. Certas conchas se abrigam em mim. De meus interstícios crescem musgos. Passarinhos me usam para afiar seus bicos. Às vezes uma garça me ocupa de dia. Fico louvoso. Há outros privilégios de ser pedra: a – Eu irrito o silêncio …

Continuar lendo

Sísifo – Miguel Torga

Recomeça…. Se puderes Sem angústia E sem pressa. E os passos que deres, Nesse caminho duro Do futuro Dá-os em liberdade. Enquanto não alcances Não descanses. De nenhum fruto queiras só metade. E, nunca saciado, Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar. Sempre a sonhar e vendo O logro da aventura. És homem, não te esqueças! …

Continuar lendo

Hoje – Helena Kolody

Violentos vendavais de todos os quadrantes Quebraram o equilíbrio estável da existência. O tufão apagou os antigos roteiros. A humanidade, indecisa e assombrada, Após a caminhada milenária, Encontrou-se, outra vez, no ponto de partida. O homem sofreu no coração da tempestade. Aprendeu, na angústia que o tempera, A superar o imperativo transitório. Transfigurou a vida …

Continuar lendo