Poesias Preferidas

Seleção de Poesias

Vou-me embora pra Pasárgada – Manuel Bandeira

keep-calm-and-go-to-pasargada

(Fonte: Keep Calm-o-Matic website)

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Manuel Bandeira

@-;–

I am going away to Pasargada
There I am friend of the king
There I have the woman I want
On the bed that I shall choose
I am going away to Pasargada.

I am going away to Pasargada
Here I am not happy
There life is an adventure
I such a non-mattering way
That Joan the Mad Woman of pain
Queen and pretended insane
Is relative once removed
From the daughter-in-law I never had.

And how I will exercise!
I will pedal my bicycle!
I will ride the wild ass!
I will climb the greased pole!
I will bathe in the sea!
And when I am tired
I will lie on the banks of the river
And call the nymph of the water
To tell me the stories
That Rose used to tell me
When I was a boy
I am going away to Pasargada.

There´s everything in Pasargada
It´s another civilization:
It has s safe and sure way
To prevent knocking the girls up
It has automatic telephone
It has plenty of dope
It has beautiful prostitutes
For one to make love to.

And when I become sadder
So sad that I have no more hope
And when in the night it comes:
The desire to kill myself
— Ah, there I am friend of the king —
Then I have the woman I want
On the bed that I shall choose
I am going away to Pasargada.

(Translated by John Nist)

Anúncios

5 Comentários

  1. Republicou isso em Borboletanoespelhoe comentado:
    BANDEIRA…

  2. Hellen Tobias

    Criativa! Obrigado.

  3. Adoro esse poema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: