Poesias Preferidas

Seleção de Poesias

Soneto XVIII – William Shakespeare

romeu-julieta

(Cena do filme Romeu e Julieta – 1968)

Como hei de comparar-te a um dia de verão?
És muito mais amável e mais amena:
Os ventos sopram os doces botões de maio,
E o verão finda antes que possamos começá-lo:
Por vezes, o sol lança seus cálidos raios,
Ou esconde o rosto dourado sob a névoa;
E tudo que é belo um dia acaba,
Seja pelo acaso ou por sua natureza;
Mas teu eterno verão jamais se extingue,
Nem perde o frescor que só tu possuis;
Nem a Morte virá arrastar-te sob a sombra,
Quando os versos te elevarem à eternidade:
Enquanto a humanidade puder respirar e ver,
Viverá meu canto, e ele te fará viver.

William Shakespeare
Tradução de Thereza Christina Roque da Motta

Soneto original, em inglês:  Sonnet XVIII

Shall I compare thee to a summer’s day?
Thou art more lovely and more temperate;
Rough winds do shake the darling buds of May,
And summer’s lease hath all too short a date;
Sometime too hot the eye of heaven shines,
And often is his gold complexion dimm’d;
And every fair from fair sometime declines,
By chance or nature’s changing course untrimm’d;
But thy eternal summer shall not fade,
Nor lose possession of that fair thou ow’st;
Nor shall Death brag thou wander’st in his shade,
When in eternal lines to time thou grow’st:
So long as men can breathe or eyes can see,
So long lives this, and this gives life to thee.

William Shakespeare

Anúncios

3 Comentários

  1. Gosto mais desta tradução compilada pela tradutora Núbia Saldanha
    Soneto XVIII
    Se te comparo a um dia de verão
    És por certo mais belo e mais ameno
    O vento espalha as folhas pelo chão
    E o tempo do verão é bem pequeno
    Ás vezes brilha o Sol em demasia
    Outras vezes desmaia com frieza
    O que é belo declina num só dia
    Na terna mutação da natureza
    Mas em ti o verão será eterno
    E a beleza que tens não perderás
    Nem chegarás da morte ao triste inverno
    Nestas linhas com o tempo crescerás
    E enquanto nesta terra houver um ser
    Meus versos vivos te farão viver.

    William Shakespeare

    • Obrigada!!! Você traz uma outra opção, o que é muito bom! Muitas vezes tenho dúvidas ao selecionar traduções. Outras vezes sinto que perde-se a mensagem original… Neste caso, particularmente, prefiro a tradução de Thereza Christina mas, é claro, as duas expressam muito bem o pensamento do autor e devem ser apreciadas igualmente. Um abraço poético ❤

  2. Anônimo

    Arte, cultura e muita sensibilidade. ´ É exatamente disso que o nosso mundo está precisando.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: