Poesias Preferidas

Seleção de Poesias

Harpa III – Ao Sol – Joaquim de Souza Andrade

anders-zorn-love-nymph-1885

(Ninfa do Amor, pintura de Anders Zorn)

Tímida e bela e taciturna virgem
Pelos campos, na zona solitária,
Do mar no isolamento, lá do azul
Banhando a terra de uma luta argêntea,
À matinada sobressalta e foge:
Chama aos seios o manto, os pés retira
Da terra e voa, descobrindo os bosques
Que estremecem, do monte a sombra arranca
Toma à pressa os vestidos que vão soltos
E as grinaldas d’estrelas, fugitiva.
Roda o plaustro de um príncipe, os cavalos
Vêm nevados nos vales do oriente;
Cobre os ares a poeira do caminho
Alva como o pó d’água; se arrepiam
No ninho as aves desatando o bico;
Brisa fresca e geral passa acordando
Os vegetais, o oceano; belas nuvens
De marinho coral, nuvens de pérola
Como a face de um lago os céus abriram;
Estende o colo o pássaro cantando
Por detrás da palmeira, qual pergunta
Aos pastores, ao gado apascentando
“Quem fez este rumor?” desliza o orvalho
Na flor, derrama o vento, o vento leva
Ondulações d’incenso; a natureza
Nas barras da manhã respira amores:
A noiva docemente bocejando
N’alva da noite da esperança longa
Embalada nos berços conjugais.

Joaquim de Souza Andrade (Sousândrade)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: